Normalmente sou calmo. Mas se eu percebo que as pessoas não são respeitosas comigo, ou que estejam a gritar sem razão, então sou capaz de ficar bravo. Procuro nunca ser, ou melhor, procuro sempre ser assertivo, mas nunca ofensivo, procuro não ofender quem quer que seja. Mas assertivo sim. Então naquela oportunidade [ Suplicy está falando sobre a sua aparição no filme “A Viagem de Yoani”] eu aceitei participar de um debate público com a Yoani Sanchez. Eu avaliava que os artigos que escrevia no blog dela, a respeito do cotidiano da vida em Cuba, eram comentários burgueses críticos, mas que não eram mais críticos ou ferinos do que a oposição fazia no Senado Federal ao governo do presidente Lula, na época. E eu avaliei que era próprio assegurar o direito dela de expressar seus sentimentos aqui no Brasil. Inclusive como uma forma de criar condições para uma das coisas que, aqueles que estavam protestando, mais queriam. E o que era? Ainda no primeiro mandado do presidente Barack Obama, ele havia dito que era importante, para o eventual restabelecimento das relações entre Cuba e os Estados Unidos, que Cuba desse alguns sinais de maior liberdade de expressão. Então o que eles precisavam compreender era que o fato de finalmente a Yoani Sanchez ter tido licença para vir ao Brasil, depois de negadas diversas tentativas, era um passo importante. E que decorreu a partir de uma lei, aprovada no congresso nacional cubano, que permitia, daí para frente, que os cubanos pudessem viajar de Cuba para o exterior e voltar a Cuba, quando antes isso era muito difícil, e com maior liberdade. Portanto, e inclusive, para a Yoani Sanchez, que era uma pessoa que no seu blog fazia criticas do dia a dia da vida em Cuba. Então eu transmiti a eles, porque eles estavam bravos comigo, jovens do PCdoB e alguns do PT, que começaram a gritar comigo. Eles começaram a me questionar como é que eu estava apoiando aquela mulher que escrevia contra o regime de Cuba? E eu falei “olha, vocês precisam compreender que o fato dela ter vindo ao Brasil, ter podido vir ao Brasil e falar livremente aqui, é um dos sinais positivos que o governo Barack Obama está esperando para estabelecer as relações com Cuba”. Como acabou vindo a acontecer. E quando eu tentei explicar para eles e continuaram bradando contra mim, eu fiquei bravo. E foi isso. Também afirmei “olha, eu sou uma pessoa que, quando foi fundado o Partido dos Trabalhadores, olhei para o estatuto e estava escrito que nós queríamos construir uma sociedade justa, caminhar em direção ao socialismo, mas queríamos fazer isso por meios democráticos, e sempre respeitando, dentre outras coisas, seja a liberdade de expressão, seja a liberdade de formação de partido, a liberdade de associação e a liberdade de imprensa”. Yoani é uma pessoa que escreve sobre problemas do cotidiano em Cuba de forma menos ferina do que, por exemplo, alguns senadores que criticavam o governo Lula de uma maneira muito ofensiva.
*
Mais Eduardo Suplicy na versão física da Rev.Nacional. *Assine*